"ERRANDO DISCITUR" -

A tradução do latim para "ERRANDO DISCITUR" está ai:"É ERRANDO QUE SE APRENDE". Aqui está um blog para opiniões, informações,poesias e, principalmente, exposições de momentos diversos para comungar com amigos, alunos e ex-alunos.

quarta-feira, 20 de novembro de 2013

Semana da Consciência Negra: As Cores da Consciência.

Foto: material de SINTEPE.
Em 20 de novembro de 1695, morreu o líder do Quilombo dos Palmares, Zumbi. Ele lutou até à morte contra a escravidão e na defesa de sua comunidade e direitos de seu povo. Daí  20 de novembro ser uma homenagem póstuma e a data receber o nome de Dia da Consciência Negra.
Em 9 de janeiro de 2003,através do projeto de lei nº 10.639 foi estabelecido o Dia da Consciência Negra, mas somente em 2011 a Presidente Dilma Roussef sancionou a lei 12.519 criando a data, sem obrigatoriedade de feriado. Mas 780 municípios brasileiros consideram feriado o dia 20 de novembro.
A Semana da Consciência Negra, no âmbito escolar, exigida em lei, visa levar os educandos à reflexão quanto à contribuição da cultura negra e o seu impacto na cultura e formação do povo brasileiro. É algo extraordinário o quanto a presença do negro na sociologia, antropologia, economia, gastronomia, religião e outras tantas áreas do conhecimento e manifestações marcam e erguem nosso povo e o mundo como um todo. Mas fora do muro das escolas, cabe ainda à sociedade refletir o quanto somos iguais e a pigmentação é apenas um detalhe. Negro não é cor: negro é raça. E graças a essa raça é que se fez o Brasil. E saliento que não concordo que cor define raça!
A notoriedade do negro não pode ficar aos poucos exemplos expostos de sucesso e evidência, na mídia, principalmente, como Joaquim Barbosa e sempre Pelé.
A data é um merecimento, mas não uma conquista plena ainda. Vejamos nas novelas e filmes nacionais como os negros são caracterizados (poucos tiveram destaques até então), quantos artistas, políticos e atletas negros são conhecidos e respeitados? E a questão da cota racial? E quanto à disparidade socioeconômica entre as populações afrodescendentes e as demais? São tantas as indagações e perguntas sem respostas.

A Consciência não deveria ter uma cor determinada e nem dia marcado. Ela deveria ser vivenciada e aplicada a cada dia, dentro e fora dos âmbitos escolares, nas residências ou nas instâncias dos três Poderes e qualquer lugar que levasse as discussões de mudanças, a fim de apresentar condições de igualdade entre os povos, no que se refere ao respeito e ao combate às discriminações. Hoje, a meu ver, a reflexão quanto à Semana da Consciência Negra são de combater o medo e o preconceito latente nos aspectos culturais diversos, procurando nas consciências de cada grupo humano o fim de certas intolerâncias.

Nenhum comentário:

Postar um comentário